Sétima arte #27: Steve Jobs

.

Filme: Steve Jobs
Direção: Danny Boyle
Roteiro: Aaron Sorkin
Elenco: Michael Fassbender, Kate Winslet, Seth Rogen, Jeff Daniels, Michael Stuhlbarg.
IMDb: 7.3/10
Rotten Tomatoes: 85%

.

.

.

.

.

.

                Cinebiografias são um desafio, especialmente quando se trata de uma figura tão marcante e controversa quanto Steve Jobs. Acrescente a responsabilidade de esta ser a segunda cinebiografia do mesmo, sendo que a primeira, Jobs (2013), não agradou crítica nem público, tendo Ashton Kutcher no papel principal. Já a produção de Danny Boyle (Quem Quer Ser Um Milionário, 127 Horas) consegue fazer um filme envolvente com destaque para o roteiro e atuações, que justamente lhe renderam duas indicações: Melhor Ator para Michael Fassbender e Melhor Atriz para Kate Winslet.

                Steve Jobs é baseado na biografia oficial escrita por Walter Isaacson, que além de cobrir várias das apresentações de Jobs, entrevistou o mesmo assim como familiares, amigos, colegas de trabalho, e reuniu essas informações em mais seiscentas páginas. Aaron Sorkin (A Rede Social, O Home Que Mudou o Jogo) adaptou o livro dividindo o longa em três partes, sendo estas os lançamentos do Macintosh (1984), do NeXTcube (1990) e do iMac (1998). O roteiro é focado nos bastidores dos lançamentos dos três produtos com ocasionais flashbacks, e essa abordagem diferente traz bastante dinamicidade ao filme, fazendo as duas horas parecerem bem mais curtas. Apesar do ambiente ser o lançamento dos produtos da Apple, o enredo não se reduz a discutir os pormenores destes, mas sim a figura de Steve Jobs, sua personalidade, a relação com a filha e com os colegas de trabalho e os conceitos e ideias que levaram a Apple a ser o que é hoje. Várias facetas do CEO e fundador da Apple são expostas, e os diálogos bem escritos e perspicazes dão o espaço necessário para o talentoso elenco.

.

.

                O papel principal fica por conta de Michael Fassbender (X-Men, 12 Anos de Escravidão), que apesar de não ser nada parecido fisicamente com Jobs, faz um retrato único do co-fundador da Apple. Interpretar uma pessoa que tem facetas tão diferentes para tantas pessoas, chefe exigente, gênio complicado, pai, é um desafio e tanto, e Fassbender o faz de forma impecável. Destaque também para Kate Winslet, como a diretora de marketing Joanna Hoffman, numa performance intensa e habilidosa. Seth Rogen, como Steve Wozniak, Jeff Daniels como John Sculley (ex-CEO da Apple) e Michael Stulbargh como Andy Hertzfeld (engenheiro de software) não ficam para trás e são mais que convincentes nos seus respectivos papéis.

                É claro que focar o filme nos bastidores dos lançamentos traz alguns acontecimentos improváveis, como o fato de ele entrar em conflitos com as mesmas pessoas antes dos eventos (o que é mencionado dentro do próprio filme), e o retrato de Jobs é só uma parte da figura complexa que poucos puderam conhecer completamente. No entanto, o filme faz uma biografia que não tenta entendê-lo como um todo, mas ser competente em mostrar um pouco do que ele foi. É importante destacar a última cena do filme, bastante marcante e uma bonita forma de mostrar a relação de Jobs com a primeira filha, Lisa.

                Com uma abordagem diferente que funciona, Steve Jobs consegue ser uma surpresa bem positiva, com atuações primorosas e um roteiro dinâmico e bem escrito.

.

.

.

Assista ao trailer

.

.

.

assinatura karen caires

Comentários

Adicionar a favoritos link permanente.

Comente! Sua opinião é muito importante para nós.