Preciso falar sobre a Internet, as Redes Sociais e a Falta de noção

Tenho mais de 30 anos e sou de uma geração que valoriza(va) a inteligência das pessoas, a educação, a cultura e a gentileza. Talvez eu esteja generalizando ao dizer que é uma característica da geração, então vou afirmar aqui que esses valores foram transmitidos a mim e aos meus irmãos pelos meus pais. Só fui ter acesso à internet com quase 20 anos de idade, acho. Lembro, inclusive, de colegas meus de escola que possuíam computador e conversavam muito sobre internet e eu não tinha a menor ideia do que eles estavam falando. Aí fiz um cursinho de informática, aprendi o tal MS DOS, o Windows e o Office. Mas eu não tinha computador e esse tal curso só me serviu quando meu pai comprou um computador para a família e a gente tinha que se revezar para usá-lo. Aí veio a internet discada. Váááááários minutos para tentar conectar. Era divertido até.

.

Sou do tempo que se usava internet discada

.

Celular? Nem pensar. Só fui ter o meu quando tive dinheiro para comprar. Telefone móvel era algo realmente muito caro. A propósito, as famílias compravam um aparelho que servia para… a família! Meio confuso isso, né? Só sei que há 15 anos a minha vida era mais ou menos isso: um computador da família, o “Movistar Amigo” era o meu celular (que mandava torpedo, vejam só!) e a internet era discada.

O que eu fazia para me distrair? Oras, eu ia ao cinema, encontrava pessoalmente (cara a cara, ao vivo e a cores, entende?) os amigos, lia muitos livros, enfim, vivia normalmente.

Depois sei lá quando surgiram alguns programinhas que a gente instalava no pc para conversar com as pessoas… Eu tinha ICQ! Depois nem lembro, acho que usei direto o MSN mesmo… Skype eu não uso. Hoje, para tagarelar, uso o Whatsapp. Assim como quase todas as pessoas, acredito eu.

Claro que na época em que eu conversava pelo MSN com os amigos, usava também o Orkut. E era muito legal ter uma conta no Orkut. E era muito engraçado fazer parte de mil comunidades no Orkut. Eu participava de umas muito bizarras, aliás.

Refletindo sobre esses últimos anos e a influência que a internet tem nas gerações que vieram depois da minha, chego à conclusão – óbvia – de que os adolescentes de hoje não sabem viver sem internet e celular porque eles NUNCA VIVERAM SEM INTERNET E SEM CELULAR. No entanto, o que sempre questiono é como seria, para essas pessoas mergulhadas nessa tecnologia, ficar alguns dias sem ela. Será que conseguem?

.

rx7hua

.

Não estou aqui para discursar sobre as relações pessoais antes da internet e depois. Não. Eu sou fã da internet, acho que ela une as pessoas. Eu mesma fiz algumas amizades através de redes sociais, conheci muitos blogueiros com quem converso todos os dias. Contudo, a internet também separa as pessoas. No Facebook, por exemplo, todo mundo é bacana, é bonito, é feliz, é amigo. Todo mundo se adiciona como “amigo” porque né? é legal ter vários amigos no Face. Na vida real, tu passas pela pessoa no supermercado e ela vira a cara, fingindo que precisava entrar no outro corredor. Aí tu publicas uma foto numa praia paradisíaca, todo mundo que é teu “amigo” curte e diz “lindaaaa, saudade de ti”. Agora, publica sobre o teu time de futebol ou sobre uma opinião política… Tem gente que até se ofende. Ou pior: começa a manifestar a opinião de forma bastante mal-educada que chega a te envergonhar na rede. Vocês perceberam que a internet abriu uma porta para quem gosta de dar um palpite sem ser convidado? E vocês já perceberam como a exposição de imagens e ideias acaba fazendo as pessoas ultrapassarem o limite do bom senso e escreverem o que bem entendem “doa a quem doer”? Isso é algo que me incomoda muito. De verdade. O fato de eu expor algum pensamento não dá a liberdade de alguém opinar de maneira ofensiva na MINHA publicação. Já li tantas discussões em redes sociais. Já vi tanto barraco online. Credo.

Assim, chego, nessas linhas digitadas e pensadas de forma meio caótica, ao que eu preciso falar: está na hora de nos transformarmos naquela pessoa bacana que mentimos que somos nas redes sociais.

.

PS: Em vários momentos eu quis escrever a expressão “nos tempos de outrora”.

.

.

assinatura ana karina

Comentários

Adicionar a favoritos link permanente.

2 Comments

  1. Nossa, sempre que eu lembro da minha adolescência eu me pergunto como eu e meus amigos fazíamos para combinar tantas saídas sem whatsapp, haha! E o mais engraçado: ninguém dava desculpa esfarrapada, todos se encontravam no lugar e hora marcada. Hoje em dia, mesmo com a comunicação facilitada, parece tão difícil reunir as pessoas (o Chimas Literário que o diga, né? huehue)

    Uma coisa que me irrita especialmente com o Facebook é o compartilhamento indiscriminado de imagens sem fontes. Acontece com frequência com fotos da Dilma e alguma frase muito descontextualizada do tipo “presos vão receber pensão de 1 milhão de reais”. Logo todos se revoltam e disseminam uma informação completamente errônea. Ninguém é obrigado a estar contente com o governo, mas as discussões e argumentos das pessoas beiram a uma briga pra ver quem é a melhor diva pop, se Beyoncé ou Rihanna 😛

    Adorei o texto, Karina! Beijo grande 🙂

  2. Verdade!
    O que é o mundo sem a internet, confesso que gosto muito desse mundo, mas nada como conversar pessoalmente com as pessoas, ouvi as risadas, conversas paralelas, abraçar….
    Poxa a tecnologia tem suas serventias, mas não pode substituir o contato pessoal

Comente! Sua opinião é muito importante para nós.