[Resenha] Golfinhos e Tubarões – Tais Cortez

Golfinhos e Tubarões – O Outro Mundo

.

Título: Golfinhos e Tubarões – O Outro Mundo

Autora: Tais Cortez

Editora: Chiado Editora

Ano: 2013

Número de páginas: 422

Gênero: Literatura Juvenil

ISBN: 978989510439-0

.

.

.

Sinopse: Aos cinco anos, Victoria foi adotada por Ana, presidente de uma indústria de cosméticos, e Greg, um bem-sucedido advogado. Ela não entende por que não se lembra dos verdadeiros pais e não acredita na suposta causa da morte deles. Ao completar quinze anos, estranhas mudanças começam a acontecer. Seus cabelos ruivos escurecem, ela se torna cada vez mais forte e rápida, seus sentidos ficam aguçados e alguns dos seus sonhos passam a ser premonições. Após a visita de um casal peculiar, ela é levada para um mundo desconhecido e único, onde terá que aprender a controlar suas habilidades, frequentando aulas diferentes de tudo o que já viu. Lá ela conhece Alex. A atração entre os dois é imediata, mas ele se recusa a se aproximar de Victoria e de qualquer outro aluno. Ainda assim, o destino se encarrega de uni-los e Alex passa a protegê-la e ajudá-la. O que Victoria não sabe é que ele esconde um segredo que mudará sua vida, e que o passado pode estar mais perto do que eles imaginam…

.

.

Participar do 7º Book Tour de Golfinhos e Tubarões – O Outro Mundo, de Tais Cortez, foi uma das realizações mais bacanas do Blog Da Literatura neste ano. Eu via pelo facebook e em blogs literários diversos comentários sobre o livro e ficava muito curiosa.

.

10496192_685271131509646_4273554354824204560_o

.

Durante a leitura, diversos sentimentos me acompanharam. Inicialmente achei a proposta muito interessante. O primeiro capítulo do livro, “Quando tudo mudou” já nos situa Victoria, suas mudanças ao completar seus quinze anos, o estranhamento de seus pais adotivos diante dessas e a ida da protagonista a um mundo desconhecido. A Victoria era uma garota normal, ia à escola, tinha seus amigos, vivia com os pais adotivos Greg e Ana, frequentava festas até que um dia ela tem uma espécie de ataque, surto, algo do tipo, e seus pais ficam pendurados na parede e a casa com as paredes rachadas. Após esse episódio, surge um casal que leva Victoria para um local que atende pessoas que possuem essas “peculiaridades”. Então, ela vai. Gostei muito desse início rápido. Foi tipo um “vamos ao que interessa!”.

A escola que Victoria frequenta chama-se Aprendum e o objetivo dela é ensinar os alunos a dominar suas habilidades. A narrativa mostra a rotina da escola, os professores, os espaços, as aulas e o cotidiano dos estudantes. Eu adorei acompanhar essa adaptação de Victoria na escola por vários motivos: primeiro, porque conhecer os poderes de cada um dos alunos fez-me lembrar dos X-Men. Segundo porque o fato de a escola ser em um castelo e ter uma área verde a sua volta, fez-me lembrar Harry Potter.

Victoria possuía um único objetivo: aprender a lidar com suas habilidades para não machucar ninguém e, quando isso fosse possível, retornar à sua casa. Em Aprendum, ela faz muitos amigos como Penny, Thiago, Ben, Jasper, Verônica e Ana, além de Alex, um mestiço. Alex é “meio vampiro”, ou seja, seu pai era um vampiro e sua mãe, humana. Victoria já o conhecia através de uma visão antes de chegar à escola e, nessa visão, ela ficou intrigada com aquela figura isolada. Alex não conversava com os colegas, não convivia, não ajudava, enfim, parecia não querer estreitar laços de amizade. Victoria tem uma paixão repentina por Alex e fica completamente obcecada por ele: tenta de todas as maneiras entrar em contato com ele. Faz constantes investidas, mas todas fracassadas pois ele a rejeita e diz, claramente, que não quer sua amizade. Confesso que nesse momento eu achei esse menino muito grosseiro pois ele fugia da Vicky que nem diabo foge da cruz e pensei que deveria ter algo de muito estranho por trás dessas fugas. E, realmente, o inevitável acontece: Victoria passa por uma situação de risco e Alex a salva, demonstra, revela, contra a sua vontade, alguns sentimentos bem intensos em relação à Vicky e, depois de um tempo, o relacionamento entre os personagens se concretiza.

.

Deixei de observar o professor movendo-se violentamente em minha direção e procurei Alex. Vê-lo me tranquilizou de forma irracional. Nada mais importava. Nada, a não ser ele. Sua pele alva e lisa como seda, seus olhos azuis tristes, seus lábios avermelhados e de aparência doce, e seu tórax sedutoramente marcado na camisa de lã que usava. – página 83

.

Junto a essa situação, existe um mistério sobre o passado de Victoria. Ela não se lembra de qualquer dia antes de seus cinco anos. A impressão era a de que sua memória simplesmente tivesse escondido os dias em que passou com os pais biológicos pois ela não possuía qualquer recordação sobre o convívio com eles. Surge, então, um mistério que envolve Victoria, Alex e o passado de ambos. E é justamente esse mistério que o livro nos rende ótimos momentos de bastante aventura, ação e empolgação!

.

Os alunos tinham se referido aos meus pais como famosos, mas eu me senti inibida em perguntar o porquê. Sentia-me constrangida e infeliz por saber tão pouco sobre eles, (…) – página 90

.

A linguagem de Tais Cortez é bastante fluida e envolvente. O mundo ficcional criado pela autora é muito interessante. Locais como a escola Aprendum, Zápia, a linha Quisley, entre outros, são bastante verossímeis e instigantes.

As personagens são muito cativantes, principalmente os estudantes de Aprendum. Victoria me incomodou um pouco com a sua obsessão por Alex. Em diversos momentos eu achei ela meio “chatinha” porque ela parecia insistir com algo que não iria acontecer. Depois, achei ela bastante egoísta pois a impressão que dava era ela só ter pensamento nela e no seu relacionamento com o Alex. Até que eu me enganei. Diante de alguns acontecimentos importantes, Victoria mostrou-se uma pessoa extremamente corajosa, obstinada, amiga e inspiradora. Uma pessoa que daria a vida por aqueles que ama. 

Eu teria muitos outros aspectos para comentar sobre o livro, no entanto, acredito que somente a experiência da leitura enriquece a imaginação do leitor e o surpreende. Digo isso porque não costumo gostar de histórias de vampiro e em alguns momentos achei que me depararia com algo muito semelhante à saga Crepúsculo. Apesar de perceber algumas influências na obra de Tais Cortez, acredito que a escritora conseguiu criar um enredo bastante criativo e diferente do que já havia lido. Além disso, acredito ser importante ela inspirar-se em outras leituras, principalmente na literatura contemporânea, que tanto nos retrata. Mesmo que o mundo criado por Tais Cortez seja fantástico, os elementos que o constituem e os sentimentos que movem os personagens muito dizem sobre nós. É por isso que ler sobre as angústias e a coragem de Victoria, a solidão e a dualidade de Alex, a amizade entre os “alunos-mutantes”, a sabedoria e a experiência dos professores faz-nos pensar em como o ser humano é complexo e, ao mesmo tempo, encantador.

No geral, gostei da leitura, apesar de ter demorado para me dedicar realmente a ela. O título do livro surge a partir de uma metáfora interessante utilizada pela autora que nos mostra como a vida nos dá oportunidade de escolha entre diversos caminhos. Cabe a nós perceber qual é o mais adequado para os nossos ideais.

Faço o convite à leitura de Golfinhos e Tubarões – O Outro Mundo. Tenho certeza de que vocês irão gostar como eu gostei!

.

Para saber um pouco mais sobre a escritora Tais Cortez, clique aqui.

.

.

assinatura ana karina

Comentários

Adicionar a favoritos link permanente.

Comente! Sua opinião é muito importante para nós.